17 de abril de 2006

confissão

Em boa verdade, o que mais me aborrece nas instalações que, desde então, lá se têm sucedido, é o facto de não conseguir perceber, da paragem, se o autocarro já lá vem.

4 comentários:

Eduardo disse...

andavam a cortar ramos aos plátanos que cresceram tanto ou mais que a feira do livro e já não deixam a tenda ser lá colocada assim sem mais. os plátanos também não querem lá aquilo, mas creio que não é por causa do autocarro.

Pedro disse...

É quase romântica, essa imagem dos plátanos que resistem, com as armas que têm, à ocupação da praça.
Não lhes serve de nada, mas sempre marcam posição.

Eduardo disse...

não sevir de nada mas marcar posição é algo em que as pessoas e os plátanos estão cada vez mais parecidos.

Pedro disse...

Não há como discordar dessa afirmação.