5 de dezembro de 2006

enchido

Rosnou no seu íntimo,
como a cadela que rosna ao pé dos seus cachorros
e vê um homem que não conhece e a ele se quer atirar -
assim rosnou Ulisses no seu íntimo por causa das más acções.
Batendo no peito, assim se dirigiu ao próprio coração:

"Aguenta, coração: já aguentaste coisas muito piores,
no dia em que o Ciclope de força irresistível devorou
os valentes companheiros. Mas tu aguentaste, até que
a inteligência te tirou do antro onde pensavas morrer."

Assim falou, interpelando o coração no próprio peito.
E o coração aguentou, mantendo-se em obediência
completa. Ele é que dava voltas e voltas na cama.
Tal como o homem à frente de um grande fogo ardente
revolve um enchido recheado de sangue e gordura
sem parar, na sua ânsia de que asse rapidamente -
assim Ulisses se revolvia na cama, pensando como
haveria de pôr as mãos nos desavergonhados pretendentes,
um homem contra muitos.

Homero, Odisseia [introdução e tradução do Grego de Frederico Lourenço], Lisboa: Livros Cotovia, 2003 (canto XX, vv. 13-30).

3 comentários:

Nuno disse...

sinto-me solitário com o silêncio prolongado do individualismo :-)
Abraço

Por Mirandela disse...

Passem pelo nosso blog e deixem a vossa opinião. Se quiserem enviar a vossa opinião seja pelo SIM ou pelo NÃO enviem para pormirandela@hotmail.com

blog Por Mirandela, o caminho certo da cidadania

www.pormirandela.blogs.sapo.pt

Anónimo disse...

:-)